Esboço de Diário de Campo

Olá, queridos leitores!

Hoje vamos falar um pouco sobre o mundo a nossa volta. Filosofia? Não, nada disso.

Já se deram conta que quando um quadrinho é produzido, autor, editor e assistentes precisam sempre tomar um cuidado especial com uma certa problemática: o que faz com que o leitor se sinta ligado à obra produzida em questão?

Essa pergunta parece ser simples, mas ela é deveras complexa. Basta observar do ponto de partida que diz respeito â opinião de cada um – o que te faz mergulhar no universo dos quadrinhos e desejar ter cada vez mais páginas de determinado artista desenhadas é uma das respostas.

Há muitas receitas de bolo para fazer com que determinada obra seja aceita por um grande público. Uma dessas receitas secretas da produção de quadrinhos é a que faz com que os quadrinhos tenham correlação com a realidade em questão.

Ainda confuso? Vamos colocar breves exemplos aqui:

1. Lembra do comic do Homem Aranha? Pois é. O cenário desenhado nas páginas do herói aracnídeo tem fortes referências a estrutura arquitetônica da cidade de Nova York. Isso fez com que os consumidores norte-americanos tivessem um apego maior à obra. É como abrir uma revista em quadrinhos e ver a sua rua, o seu bairro desenhados naquelas páginas com um herói que combate o crime. Dá para imaginar a emoção? “Essa é a minha rua! Eu moro ali!”

Imagem do Home-Aranha com a cidade ao fundo (referência a cidade de Nova York) (©) Copyright 2004 by VISUAL Press Agency
Imagem do Home-Aranha com a cidade ao fundo (referência a cidade de Nova York) (©) Copyright 2004 by VISUAL Press Agency

2. Batman. Quem não lembra de Gotham City? A cidade foi criada tendo como base várias construções arquitetônicas norte-americanas. A associação do leitor com as obras e o pensamento de “isso aqui parece com algum lugar dos Estados Unidos que eu já vi” é algo quase inevitável de se notar. 

Cidade de Gotham ilustrada para os Comics do Batman - ilustração para base do filme Batman Begins
Cidade de Gotham ilustrada para os Comics do Batman – ilustração para base do filme Batman Begins

3. Sakura Card Captors e a Torre de Tóquio. Quem não se lembra do Torre de Tóquio nos mangás? Ela é claramente destacada com esmero e um cuidado que até quem não é oriental consegue diferenciá-la. Qualquer fã de mangá, se tiver a oportunidade de visitar o Japão, mesmo sabendo que não existe uma garota mágica com cartinhas feito a Sakura, terá o estalo mental para, ao menos, dar uma passadinha na tal torre onde a heroína é desafiada durante a obra dos quadrinhos japoneses.

Imagem retirada de Momiji* Diary - comparação do detalhamento da ilustração da Torre de Tóquio na animação de Sakura Card Captors e uma fotografia da mesma torre.
Imagem retirada de Momiji* Diary – comparação do detalhamento da ilustração da Torre de Tóquio na animação de Sakura Card Captors e uma fotografia da mesma torre.

4. Turma da Mônica. A clássica Turma da Mônica, um gibi (quadrinho brasileiro) que mesmo não relatando a arquitetura brasileira com tantos detalhes como outras obras, ainda consegue manter a associação com seu país de origem devido ao cuidado em tratar das comemorações festivas brasileiras. Há especiais da Turma da Mônica que tratam apenas de Festas Juninas, Carnaval, Dia do Índio, entre outros. Esse pequeno cuidado com a produção em questão faz com que o público local tenha um carinho especial por aquilo que lhe remete à sua própria realidade.

Turma da Mônica em Festas Juninas - imagem retirada do blog do Xandro.
Turma da Mônica em Festas Juninas – imagem retirada do blog do Xandro.

Na primeira semana desse mês de agosto (2013) – 29/07 a 04/08 – aconteceu uma exposição de carros antigos aqui na nossa cidade. Foi algo inusitado que chamou a atenção de muitos, principalmente a daqueles que nunca tiveram a oportunidade de visitar um grande museu de carros e observar os automóveis das décadas de 60, 70 ou 80 tão de perto.

Exposição de Carros Históricos que ocorreu em Maceió-AL.
Exposição de Carros Históricos que ocorreu em Maceió-AL.

Se você mora em uma cidade grande, aqui vai um conselho: saia de casa e conheça novos lugares da sua própria cidade, do seu bairro, da sua rua. Se você é um artista e está em busca do seu ímpeto criativo, não fique sozinho em casa, olhando para o papel em branco, se queixando de que está sofrendo da síndrome do bloqueio criativo. Isso é apenas preguiça, meu caro. Preguiça de pesquisar o mundo ao redor que te cerca.

Há muitos atrativos locais que destacam nossa cultura e que se perdem no decorrer dos anos devido à falta de interesse da população de modo geral. Falando em específico do artística em questão: valorizar o que nós temos de melhor é o que nos faz criar uma característica única e especial para nossas obras. Valorize sua própria realidade e não perca as oportunidades de experimentar novas atividades!

Um produtor de quadrinhos não é apenas aquele que cria algo de sua imaginação. Até nossa imaginação tem certos limites. O processo criativo não é algo simples, mas as experiências vividas, as novas atividades praticadas e os novos lugares visitados fazem com que você crie novos horizontes para o que a sua mente pode criar com base em toda essa informação.

E aí? Já pensou em sair hoje?

Uma ótima semana a todos! E até a próxima!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s